terça-feira, 6 de maio de 2008

Feira da Escassez


Autor deste conto: Luiz Galdino de Santana – Galdino.

(registro: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/br/ )

Dezesseis e trinta e dois da tarde de terça-feira. Bairro da alta classe de Hipocrisópolis.

O senhor PhD em Desfassontologia da PUN (Pontifícia Universidade Neoniilista) chega ao mercadinho mais badalado da redondeza:

- Boa tarde, Pouco Importa.

- Ótima, seu PhD. Como vai a família?

- foi!

- Claro, claro. E o que quer hoje?

- Vou levar seis kg de misericórdia e três dúzias de piedade.

- Ah, isso não vou ter, não. Aliás, ninguém: está fora de fabricação faz tempo.

- Então, me uns duzentos gramas de bom senso e quatro pedaços de serenidade fresquinhos.

- Ih, era pra chegar ontem, mas o carregamento tombou na rodovia 666 que liga Santa Iracividade à Velha Imponderância.

- Ora bolas, pelo menos tem por algum diálogo que preste ou uma e outra boa vontade? Se não tem, então, o que será de mim... hahaha.

- Nem isso. Serve esse papo furado velho? Espera um pouco... Ah, tem essa passeatinha de domingo. Mas meio sem gosto, pra falar a verdade.

- Pelo que vejo, Pouco Importa, a indignação acabou também.

- Virgem Maria, Isso , seu P, quando chega, puft, vai na mesma hora. Pior : ninguém se lembra dela depois...

- Tá precisando melhorar o estoque, meu velho.

- Qual o que, patrão? Quase tudo que o senhor quer não tem saída. Meu estoque está abastecido.

- Será? Deixa ver então... hum, trás uma lata de credibilidade daquelas ali.

- Mas rapaz... Era o que me faltava. O senhor sabe muito bem que isso com receita do Ministério da Manipulação. E tem que renovar sempre. A validade vence “rapidez”.

- Vou acabar definhando desse jeito, Pouquinho.

- É, né? Sei, sei... Leve alguma coisa instantânea, então: memória curta, falácia mole, vingança ineficaz, superficialidade afogadiça, oportunismo desenfreado...

- Hum, é bem tentador, viu. Mas hoje acordei igual a uma grávida: vontade de comer coisas extravagantes. Procura, nem que seja nos fundos, uma igualdade de oportunidade escondidinha. Mesmo que esteja sendo preparada agora. Eu espero.

-Hahahahaha, nessa o senhor caprichou: nem a mãe do Doutor Tudo Pode teve esse tipo de desejo. Daqui a pouco vai me pedir um saco de justiça para todos, ou, pior ainda, alguma distribuição das riquezas. Ahahaha. Ninguém, nunca, achou essas mercadorias. Quem tiver pra vender fica rico... ou morre.

- Mas que situação insuportável. Pelo que eu posso ver, da prateleira você tirou até aqueles deliciosos idealismos e acalentadoras atitudes de conscientização, e colocou no lugar esses comodismos frios e desânimos bem coniventes.

- Pra falar a verdade, seu PhD, o senhor foi o primeiro a notar isso. E olhe que faz tempo que eu mudei tudo.

- Basta. que o que eu quero não tem saída, então vou pedir algo que todo mundo quer: cinco soluções paliativas e um conselho furado.

- Ah, finalmente. Sabia que daqui do meu estabelecimento o senhor não ia sair de mãos vazias. Pega as soluções: fazer um rico seguro de vida, blindar o carro, erguer o muro do condomínio, contratar um pequeno exército de seguranças truculentos e sedentos de sangue (daqueles que nem o “fanfarrãofamoso: psicopata e mal-feitor, tirando onda de justiceiro) e andar pelas ruas da Europa.

O conselho: tape bem os ouvidos quando a bomba estourar.

- Ufa, agora sim. Me sinto como qualquer um nessa cegueira geral. Então, dane-se, seu Pouco Importa.

- Danemo-nos todos, seu PhD.

17 comentários:

Nath disse...

Tamanha é a necessidade de encontrar um pouco mais de humanidade que vale até transubstanciar os sentimentos. Torná-los objetos palpáveis.
E tentar trombar com eles nestas prateleiras do cotidiano, das ruas, dos gestos e das palavras das pessoas.
Mas é difícil. O corre-corre torna latente o que outrora foi (foi?) presente.
A busca é interminável. A angústia passa perto mas o que permanece mesmo é a obstinação em encontrar um pouco mais de humanidade nestas prateleiras do dia-a-dia.

Suhelen disse...

será que ainda tem gente que se importa? pelo menos um pouco?

ai. preciso de uns pedaços de serenidade.

abração, galdino!

Regiane"Carrie"Alencar disse...

Eu não desisto. Se eu encontro perto de mim, pessoas q ainda sentem, acredito q ainda pode ter mais algumas dessas, perdidas por aí.
Abraçaozão!

Nataly disse...

E que "continuemos" aprocurar pelo menos um saquinho de justiça...

Demais Galdino!!!!

Bjão!

Nataly disse...

"a procurar"

perdão...

Juliana M. disse...

ainda bem que não estou em coma.
abração.

Ana Paula disse...

...Tenho esperanças q esses sentimentos, q estão escassos, renasçam...

Muito bom o conto, como Timidez, q é lindo!

Parabéns Galdino!pga

Gabriel disse...

Venho agora a conhecer seu blog, e, lendo os dois últimos textos, que boa surpresa não tive!

Em relação ao primeiro, nada mais do que a hipocrisia burguesa (de pensamento, não só de classe), em que a solidariedade é um artigo de luxo qualquer. Um produto para satisfazer o consumismo, o egoísmo e tentar resgatar a auto-estima daqueles que dizem se importar - sendo que, na verdade, o que importa é acharem que lhes é importante.

Triste, mas real.
Bacana essa nova fase do Teatro Mágico, esse seu novo projeto musical com o Octopus. Acho que o cenário artístico tem muito o que receber e compartilhar com vocês.

Abraços!

Professor Edinaldo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Menino Yuri disse...

"- Pelo que vejo, Pouco Importa, a indignação já acabou também.

- Virgem Maria, Isso aí, seu P, quando chega, puft, vai na mesma hora. Pior : ninguém se lembra dela depois..."

Essa foi perfeita! Galdino, adorei!

Cria(do) Mu(n)do disse...

Maravilhoso...e como disse a Juliana..."ainda bem que não estou em coma"

Giane disse...

Galdino, acabo de descobrir que sua virtuosidade não se resume ao violino! Amei o conto e vou colocá-lo lá no meu blog (com os créditos mais que devidos e merecidos).

Beijos mil!!!

Thais disse...

NOSSA! Dê-me um pouco de indignação coletiva, por gentileza??

Tenho um prêmiozinho pra ti, Galdino, espero sua visita!


=**

Luciano disse...

Já parou para contar quantas pessoas deixam um sorriso entre aberto para ti na rua, sem mesmo conhece-lo?
pois bem, as mesmas, são estas que fabricam em grande escala um pouco de humanidade.
Um sorriso, por mais que timido e pequeno, já é o ínicio de uma grande evolução dentro de cada um.

- Até mais.

Júlio™ disse...

Ei, te indiquei para um meme. Passa no meu blog e vê as regras.

Rayanne disse...

Bom, bom, muito bom!!!! Inovação onde tudo é mesmice, prá falar da nossa falta de opção!

***Estrelas, moço!**

Lua disse...

é e como diria Rauzito "quando acabar o maluco sou eu"...

Bons ventos para ti querido.

Nos vemos no SWU..

=***************